Ingredientes para prototipagem de requisitos de softwares

Olá!

A prototipagem ou prototipação de requisitos de softwares tem a finalidade de obter grande quantidade de informações sobre um problema, permitindo uma coleta de requisitos muito ágil e fluída. Possibilitando ao usuário final atuar como cocriador.

Diante do desafio de coletar requisitos de softwares, utilizar abordagens colaborativas e construção incremental de partes do produto, permite um melhor resultado devido a dois fatores:

  1. Participação do usuário final
  2. Utilização de ciclos curtos de feedback para correção e ajustes, contribuindo com a construção de produtos com foco nas REAIS necessidades dos clientes e/ou usuários

Antes de propor um sessão de prototipagem para coletar requisitos, sugiro alguns ingredientes básicos:

  1. Entendimento do problema a ser resolvido
  2. Quais os resultados esperados
  3. Definição do time multidisciplinar
  4. Escolha de uma funcionalidade chave que resolverá o problema de forma plena
  5. Definição de agenda para realizar a sessão
  6. Apoio de um sponsor

Dependendo do cenário, mais ingredientes poderiam ser necessários, mas vamos começar com estes.

1. Entendimento do problema a ser resolvido

Como assim o problema a ser resolvido? Explico.

Um desafio de negócio que hoje causa impacto negativo no processo atual, ou que poderia ser evoluído ou criado.

Vamos citar alguns exemplos:

  • Um novo processo de aviso de férias para facilitar a vida do RH, colaborador e gestor
  • Um relatório gerencial para área de compras visando apresentar as maiores compras por departamento e economia realizada
  • Uma tela de pedido de venda simplificada para ser utilizado por representantes na visita a clientes
  • Um aplicativo ou portal que permita acompanhar os custos dos projetos através de diversos indicadores para área de PMO

Todos estes problemas acima, precisarão da criação ou evolução de softwares com foco em melhoria de processo, automatização, redução de custos ou outros pontos.

Entender o problema e como as pessoas são impactadas é o primeiro passo.


2. Quais os resultados esperados

Tendo em vista que já sei qual o problema a ser resolvido, fica muito mais fácil estabelecer os resultados esperados.

Supondo que o nosso problema fosse:

Um novo processo de aviso de férias para facilitar a vida do RH, colaborador e gestor

  • Processo muito manual e sujeito a erros
  • Envio de planilhas entre os envolvidos
  • Falta de controle eficiente

Resultados Esperados:

  • Automação do processo e eliminação de erros
  • Visibilidade do processo para todos os envolvidos
  • Diminuição do custo operação para gestão do processo de férias

3. Definição do time multidisciplinar

Consiste num time que se complementa e as diferenças de visões contribuem para um produto mais aderente as reais necessidades

Apesar de ser um time, “Um por todos e todos por um” tenho dois perfis bem distintos: Técnico e de negócios

Técnico: Programadores, arquitetos, DBAs, Profissionais de UX/UI, Lider Técnico e testador

Negócios: Cliente, usuário final, gestores, Product Owner, analista de requisitos/negócios e partes interessadas.

O foco deste time deve ser a entrega do produto em ciclos curtos, muita comunicação e colaboração. Parece até ser fácil!

Acrescente um facilitador, e escolha um dos presentes para ser o escrivão da sessão de prototipagem, para registro e documentação dos requisitos discutidos.


4. Escolha de uma funcionalidade chave que resolverá o problema de forma plena

Imagine um produto contendo inúmeras funcionalidades, porém tem uma (ou conjunto delas) que é chave, aquela que “resolve a dor do cliente”

Vamos pensar no Uber, qual seria esta funcionalidade matadora?

Solicitar corrida.

Ok, alguns estão bravos comigo porque chamei de funcionalidade, e não de tema ou épico. Mas se realmente você esta preocupado com a terminologia utilizada, você não entendeu nada do que estou falando.

Chame do que você quiser: Épico, tema, macro funcionalidade, funcionalidade…

O importante é entender o conceito.Ok?

Escolhida a funcionalidade chave.

Em nosso exemplo do problema das férias do RH, vamos chamar a funcionalidade chave de: Solicitação de férias através do colaborador


5. Definição de agenda para realizar a sessão

Avise antecipadamente(normalmente utilizo uma semana de prazo) todos os envolvidos.

Informe:

  • tema
  • data
  • horário
  • duração da sessão em horas, deixe claro os intervalos
  • regras para interrupções/uso de smartphone/internet
  • local
  • nome da sala
  • fone/email/whatsapp para contato rápido

E dois dias antes do sessão, envie um lembrete a todos. Invista na comunicação intensa de seus projetos!


6. Apoio de um sponsor

Conselho básico, muitas vezes esquecido.

Proximidade com este sponsor, venda a ideia pra ele, forme uma parceria no sentido mais amplo da palavra.

Que este sponsor seja politicamente forte, afinal nem tudo se resume a utilização de abordagens ou lindos post-its coloridos, precisamos de resultados reais e mensuráveis!

O apoio deste sponsor é fundamental para iniciação do projeto, e durante a caminhada, os possíveis problemas que surgirão.

Mantenha um dialogo constante e franco.

Ao final da sessão de prototipagem, devemos ter um entendimento claro sobre a funcionalidade e o alinhamento entre todos os envolvidos.


Dica Extra

Não adianta nada utilizar todas estas dicas, e não construir o produto de forma incremental o mais breve possível com uso intenso de feedback.

#boraprototipar

#foconousuariofinal

#prototipandorequisitos

Usuário final ganhando desconto para testar o produto – Isto ecziste?

Olá!

O Uber vai descontinuar o Uberpool e para substituir, lançará o Uber Juntos… Até aqui, tudo bem, mas a empresa, resolveu oferecer descontos para os usuários(passageiros) testarem(na vida real) a nova modalidade.

Qual foi a última vez que você ofereceu desconto para os seus usuários ? Lembra?  rs..rs

O ponto central para mim, é a empresa colocar o passageiro(usuário final do aplicativo) para testar o produto em condições reais e como incentivo ainda oferecer o desconto.

Além do desconto em si, que acaba chamando a atenção, o fato de envolver desta forma  o usuário final, acho fantástico. Não tem como saber, qual foi o envolvimento do usuário final na fase de concepção, ideação e a liberação dos primeiros releases desta funcionalidade.

“A companhia ainda ressalta que nos primeiros três meses, como incentivo para que os usuários testem o produto, as viagens terão valor até 50% inferior”

Quanto mais envolvermos o usuário final com o nosso produto, maior serão os ganhos, tais como:

  • Benefícios para o produto
  • Aprendizados sobre nosso usuário
  • Pontos a serem evoluídos
  • Interações do usuário com o produto em condições reais – vida real
  • Aumento do engajamento
  • Promoção da marca (se tudo der certo)

Esta ação merece ou não merece nossa atenção e no mínimo uma reflexão – novo tempos, meu amigo

#foconousuáriofinal

#mindsetcolaborativo

#leanstartup

UberUsuarioFinalAprovado

 

 

 

4 motivos para envolver o usuário final na concepção de produtos digitais

Olá!

Vamos começar explicando o que é um produto digital: Um software, seja ele uma app, aplicação desktop/web, embarcdo ou outra encanação qualquer.

E quem é o usuário final em nosso ponto de vista? O profissional que utiliza frequentemente o produto digital para:

  • Realizar alguma atividade que impacte (in)diretamente o cliente
  • Facilitar suas tarefas com o apoio do produto digital
  • Contribuir para tomada de decisão com base em informações extraídas deste produto digital
  • Otimizar sua rotina, liberando para atividades mais nobres
  • Outros

Veja os 4 motivos:

  1. Seu cliente é importante
  2. Engajamento do usuário final
  3. Construir/evoluir produtos melhores com foco nas reais necessidades
  4. Cliente satisfeito gera mais dividendos

Agora, vamos falar um pouco sobre cada um deles

1.Seu cliente é importante

Quando você através de um produto digital, realiza um bom atendimento, você esta respeitando e valorizando o seu cliente.

Pense no seguinte cenário:

Vamos supor que seu cliente, é uma operadora de telefonia, e o atendimento aos clientes do seu cliente é realizado via call center.  Neste local, você tem inúmeros atendentes que utilizam produtos digitais para responder dúvidas e fazer procedimentos para os clientes do seu cliente.

E se este produto digital, tivesse uma pane? Se ele fosse lento? Se ele fosse confuso…

Na pratica, isto significará que o produto digital, não levou em consideração as reais necessidades do seu cliente, ou melhor do atendente, logo o seu cliente não esta sendo importante.

2.Engajamento do usuário final

Você gosta de ser ouvido ou ignorado?

Ao ouvir o seu usuário, você estará de maneira muito simples, “dando voz a ele”.

Faz sentido ouvir este usuário final? Com total certeza, pois ele esta DIRETAMENTE envolvido no dia a dia do produto digital.

E com o engajamento, ele vai contribuir de maneira mais intensa com o produto digital. E o conhecimento que este profissional tem da operação? e do seu cliente? Vai ignorar este conteúdo?

3.Construir/evoluir produtos melhores com foco nas reais necessidades

Para construir/evoluir, a maneira mais simples é entender o dia dia da operação, fluxo de documentos, atividades, restrições…

Quem não ouviu falar de produtos que nunca foram utilizados por seus usuários?

Que são confusos?

Que não atendem minimamente as reais necessidades?

É uma forma barata e mais assertiva de construir, com proximidade com usuário final e trazendo ele para o seu time.

4.Cliente satisfeito gera dividendos

Vivemos num mundo onde o consumidor é rei, então tratá-lo bem, é nosso dever.

E quando este personagem esta satisfeito ele gera dividendos para todos:

  • a marca
  • a empresa
  • o produto
  • colaboradores

Cliente satisfeito, compra mais, indica seu produto e pode até tornar fã- do seu produto.

É fácil?

eBook-04 motivos para envolver o usuario final na concepcao de produtos digitais_Outubro_2018_v01