Inception to Go – Uma abordagem centrada no usuário e no desenvolvedor

Olá!

Vamos falar de projetos.

Projetos de softwares. Até parece assunto dos profissionais de Tecnologia da Informação, gestão de projetos, governança e outros, mas não é, é um tema que impacta diretamente as pessoas no cotidiano. Duvida?

Em nosso dia a dia utilizamos dezenas de aplicativos, para as mais variadas finalidades: pedir comida, deslocar, pagar contas, etc.

Mas e se, você fizesse parte de um time de uma empresa, no papel de Product Owner, analista de negócios, desenvolvedor, gerente de projeto e outros correlatos, como mapearia as reais necessidades dos seus clientes?

Os clientes podem ser internos (áreas de negócios) ou externos, isto não importa.

O que realmente importa é construir(rapidamente) software de acordo com as reais necessidades deste cliente, e gerar impacto no cotidiano.

Você esta fazendo isso?

E se eu te falar que Inception to Go, é uma abordagem para definir produtos digitais (softwares) considerando dois personagens centrais: O usuário final e o desenvolvedor.

Nada mais justo do que considerar relevante, quem vai utilizar o produto no dia a dia (usuário final) e o desenvolvedor que irá construir.

Pareceu confuso?

Então baixe este material e saiba mais sobre Inception to Go

Se o seu cliente é importante, então você vai levar em consideração o usuário final e o desenvolvedor.

Ao acessar nosso material inicial, entenda:

  • O que é Inception to Go?
  • Qual aplicação?
  • Quais benefícios?
  • Visão macro

Inception to Go

Softwares, impactam vidas.

Inception_to_Go_Imagem

Insights X Mars InSight – Trabalho diário e duro

Olá!

No dia 26/11/2018 as 17:52:59(horário de Brasília – um minuto antes do previsto) a sonda da NASA, Mars InSight pousou em Marte. É um grande feito para a ciência, e para a humanidade. Ela foi lançada em Maio/2018, percorreu 482 milhões de quilômetros até o seu pouso.

O resultado vem com a caminhada, e no caso da Mars InSight, um trecho de 482 milhões de quilômetros. E tem gente que deseja resultados rápidos.

“Fernandes, eu não sou astronauta”

“Eu trabalho com projetos, então isto não tem a menor relevância”

Explico.

O que vou abordar é sobre trabalho duro e diário para atingir resultados. Isto esta relacionado com projetos?

Lendo as matérias sobre a sonda Mars InSight, fiquei pensando:

  • Quanto trabalho duro(diário) foi realizado desde quando eles tiverem o primeiro insight?
  • Quantas horas de estudos? Pesquisas? Simulações ? Testes?
  • Quantos aprendizados surgiram durante esta jornada?
  • Quantas vezes a equipes envolvidas falharam?
  • Quantas vezes pensaram em desistir?
  • Quantas vezes tiveram que buscar mais conhecimento?
  • Quantas vezes tiveram que reunir para discutir problemas específicos?
  • Quantas vezes discutiram?

Não sei quantas, mas imagino que foram inúmeras.

Depois do “insight”, vem muito trabalho duro, diário, comunicação e colaboração.

E os resultados? Podem vir.

Não importa se teve um “insight” ou “Mars InSight”, o que faz a diferença é trabalhar duro, interagir, discutir(respeitosamente) e aprender com todos.

Depois do insight vem o bom e velho trabalho diário.

E este bom e velho trabalho, pode ficar ainda mais interessante quando interagimos colaborativamente com as pessoas. Mindset colaborativo.

Vamos continuar nossa caminhada!

Parabéns a equipe da NASA e a todos os envolvidos!

Que a nova hospede de Marte, consiga atingir todos os seus resultados nesta longa jornada!

Veja um pouco mais sobre este grande feito 

#boratrabalharduro

#boracompartilhar

#borainteragir

insight pousando nasa

 

 

Por quê compartilhar ?

Olá!

Porque podemos contribuir com o aprendizado de outras pessoas(e o nosso próprio), times e empresas! Esta explicação deveria ser suficiente.

Tentarei explicar melhor…

Vamos imaginar que eu(Fernandes) esteja num grupo de Whatsapp sobre produtividade, e que alguém compartilhe uma dica sobre: “como organizar melhor suas tarefas”.

Diante deste conteúdo compartilhado, eu posso tomar algumas ações(legítimas, todas elas):

  1. Ignorar (nada contra)
  2. No mínimo ler e descartar, pois isto não serve para mim e ninguém (nada contra)
  3. No mínimo ler, não serve para mim, mas pode servir para outro e compartilho (nada contra)
  4. Ler, refletir, pesquisar mais sobre o tema, promover discussões(respeitosas) e compartilhar com outras pessoas.

Penso da seguinte forma, se isto pode me ajudar, então também poderá ajudar outras pessoas. Simples assim!

Agora, caso não tenha valor(no meu modesto entendimento), eu não compartilho.

Muitas vezes é algo (extremamente) simples, mas o importante é contribuir e gerar aprendizado. Quem sabe este pequeno compartilhamento pode fazer a diferença.

E isto não tem nada a ver com ser bom samaritano – estou bem longe disto.

No meu ponto de vista, esta mais ligado ao fato de: ao compartilhar, novas ideias, discussões, compartilhamento, aplicações e aprendizados podem surgir, com isto potencializamos o conteúdo para todos.

Compartilhar o quê?

Eu costumo compartilhar, os itens abaixo:

  • Dicas de livros
  • Dicas sobre eventos pagos e gratuitos
  • Artigos/posts
  • Vídeos/podcasts
  • Frases inspiradoras
  • Cursos pagos e gratuitos
  • Workshops pagos e gratuitos
  • Meetups pagos e gratuitos

“Compartilhar é a nova maneira de aprender”. Sinceramente, não me lembro  quem disse esta frase.

Compartilhar para contribuir!

Para mim faz todo o sentido, até porque vivemos na era da economia compartilhada, ou não?

Este é apenas o meu ponto de vista!

boracompartilhar

 

 

Scrum Day Brazil 2019 – Centro de Convenções Frei Caneca

Olá!

Mais um evento apoiado pela Scrum.org no Brasil – 15/06/2019(sábado).

Clique no link abaixo e inscreva!

Scrum Day Brazil 2019

Aproveite o preço super reduzido (prorrogado) até 31/12/2018!

Agile é agir, interagir e participar para produzir resultados de forma colaborativa.

Quem vem de fora de Sampa, recomendamos o Hotel Pergamon (excelente atendimento e ótima qualidade)

#boraparticipar

#borainteragir

#boraagir

 

scrumdaybrazil2019

O PODER das interações cara a cara

Olá!

Em tempos de trabalho remoto e alta tecnologia proporcionando muitas facilidades, a boa e velha conversa cara a cara, funciona cada vez melhor.

Claro que podemos utilizar diversas ferramentas que permitem ligações/video conferência, mas nada ainda se compara, a conversar olho no olho, tomando um bom café, por exemplo.

Em muitos casos, utilizar a tecnologia de chamada em grupo ou video, funciona, consegue promover alinhamento, mas parece falta algo? E para você?

E o e-mail? ainda tem vez? Particularmente, gosto de utilizar como registro formal do que foi conversado cara a cara.

Nem tudo são flores na conversa cara a cara, principalmente para que isto ocorra, alguém vai ter que deslocar fisicamente – e se for nas grandes capitais, o transito é um desafio, mesmo se você escolher um momento “fora do horário de pico”. Por  outro lado, este deslocamento(quando realizado por aplicativos de carona – Uber, 99, Cabify) pode proporcionar que o profissional durante o trajeto, “trabalhe em outros assuntos”.

As conversas cara a cara, são muito ricas e proporcionam um entendimento mais amplo da situação, pois você acaba tendo contato com o “habitat da outra pessoa”.

Eu destaco ainda a questão da utilização de quadros brancos ou flip charts para rascunhar ideias/fluxos – para mim é um super recurso(simples), muito barato, funcional e fantástico!

Aprendi esta forma, quando vi a imagem abaixo.

 

Illustration-of-richness-and-effectiveness-of-different-communication-channels-from

Espero que após visualizarem a imagem acima,  as pessoas entendam o PODER das interações presenciais para discutir e resolver problemas de forma colaborativa.

Não deve ser a toa que o Manifesto Ágil coloca com seu primeiro valor

“Indivíduos e interações mais processos e ferramentas”

manifestov

Por uma mundo mais colaborativo, com interações presenciais(respeitosas e cordiais) para produzir resultados melhores.

Mas nada contra as interações virtuais, acredito que o melhor seja combinar ambas as formas!

#mindsetcolaborativo

#borainteragir

 

Product Backlog, o que é isso?

Olá!

É uma lista de requisitos de um determinado produto, segundo o framework Scrum

Vamos olhar o que diz o Scrum Guide (Guia Oficial do Scrum)


Definição de backlog

“O Backlog do Produto é uma lista ordenada de tudo que é conhecido ser necessário no produto. É a única origem dos requisitos para qualquer mudança a ser feita no produto. O Product Owner é responsável pelo Backlog do Produto, incluindo seu conteúdo, disponibilidade e ordenação.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(Definição de backlog), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Lista não esta ordenada
  2. Mais de uma origem dos requisitos
  3. Não existir Product Owner
  4. Product Owner não promovendo a visibilidade

 


Backlog nunca esta completo

“Um Backlog do Produto nunca está completo. Os primeiros desenvolvimentos estabelecem os requisitos inicialmente conhecidos e melhor entendidos. O Backlog do Produto evolui tanto quanto o produto e o ambiente no qual ele será utilizado evoluem. O Backlog do Produto é dinâmico; mudando constantemente para identificar o que o produto necessita para ser mais apropriado, competitivo e útil. Se um produto existe, seu Backlog do Produto também existe.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(Backlog nunca esta completo), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Montar o backlog inteiro
  2. Congelar as mudanças – para prevenir alterações no escopo
  3. Capturar todos os requisitos para fechar o backlog
  4. Produto sem backlog

 


Conteúdo do backlog

“O Backlog do Produto lista todas as características, funções, requisitos, melhorias e correções que formam as mudanças que devem ser feitas no produto nas futuras versões. Os itens do Backlog do Produto possuem os atributos de descrição, ordem, estimativa e valor. Os itens do Backlog geralmente incluem descrições de testes que comprovarão sua completude quando “Prontos”.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(Conteúdo do backlog), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Congelar as mudanças – para prevenir alterações no escopo
  2. Evitar as correções ou melhorias

 


A importância do feedback

“Enquanto um produto é usado e ganha valor, e o mercado fornece feedback, o Backlog do Produto torna-se uma lista maior e mais completa. Requisitos nunca param de mudar, então o Backlog do Produto é um artefato vivo. Mudanças nos requisitos de negócio, condições de mercado ou tecnologia podem causar mudanças no Backlog do Produto.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(A importância do feedback), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Postergar o uso do produto
  2. Não realizar ciclos de feedbacks
  3. Congelar requisitos
  4. Ignorar as novas condições do mercado (competidores, legislação, etc)

Resumo da ópera: O Backlog é dinâmico, gerido pelo Product Owner, e sprint a sprint o feedback é fundamental, pois gera aprendizado e oportunidade de melhoria.

Ninguém disse que é fácil aplicar!

Na dúvida, leia o Scrum Guide e discuta com seu Scrum Team.


pb

 

 

Evento: Product Camp Brasil 2018 – 5 e 6 de dezembro – São Paulo/SP

Olá!

Vem aí o Product Camp Brasil 2018 – Dezembro/2018 – SP

Veja alguns tópicos que serão abordados no evento:

  • Lean Market Validation
  • Tópicos avançados de gestão de produtos
  • Tendências no comportamento do consumidor
  • 10 dicas para um Product Manager de alta performance
  • E muito mais

Eu já garanti a minha vaga!

#boraparticipar

#borainteragir

productcamp2018