O PODER das interações cara a cara

Olá!

Em tempos de trabalho remoto e alta tecnologia proporcionando muitas facilidades, a boa e velha conversa cara a cara, funciona cada vez melhor.

Claro que podemos utilizar diversas ferramentas que permitem ligações/video conferência, mas nada ainda se compara, a conversar olho no olho, tomando um bom café, por exemplo.

Em muitos casos, utilizar a tecnologia de chamada em grupo ou video, funciona, consegue promover alinhamento, mas parece falta algo? E para você?

E o e-mail? ainda tem vez? Particularmente, gosto de utilizar como registro formal do que foi conversado cara a cara.

Nem tudo são flores na conversa cara a cara, principalmente para que isto ocorra, alguém vai ter que deslocar fisicamente – e se for nas grandes capitais, o transito é um desafio, mesmo se você escolher um momento “fora do horário de pico”. Por  outro lado, este deslocamento(quando realizado por aplicativos de carona – Uber, 99, Cabify) pode proporcionar que o profissional durante o trajeto, “trabalhe em outros assuntos”.

As conversas cara a cara, são muito ricas e proporcionam um entendimento mais amplo da situação, pois você acaba tendo contato com o “habitat da outra pessoa”.

Eu destaco ainda a questão da utilização de quadros brancos ou flip charts para rascunhar ideias/fluxos – para mim é um super recurso(simples), muito barato, funcional e fantástico!

Aprendi esta forma, quando vi a imagem abaixo.

 

Illustration-of-richness-and-effectiveness-of-different-communication-channels-from

Espero que após visualizarem a imagem acima,  as pessoas entendam o PODER das interações presenciais para discutir e resolver problemas de forma colaborativa.

Não deve ser a toa que o Manifesto Ágil coloca com seu primeiro valor

“Indivíduos e interações mais processos e ferramentas”

manifestov

Por uma mundo mais colaborativo, com interações presenciais(respeitosas e cordiais) para produzir resultados melhores.

Mas nada contra as interações virtuais, acredito que o melhor seja combinar ambas as formas!

#mindsetcolaborativo

#borainteragir

 

Product Backlog, o que é isso?

Olá!

É uma lista de requisitos de um determinado produto, segundo o framework Scrum

Vamos olhar o que diz o Scrum Guide (Guia Oficial do Scrum)


Definição de backlog

“O Backlog do Produto é uma lista ordenada de tudo que é conhecido ser necessário no produto. É a única origem dos requisitos para qualquer mudança a ser feita no produto. O Product Owner é responsável pelo Backlog do Produto, incluindo seu conteúdo, disponibilidade e ordenação.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(Definição de backlog), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Lista não esta ordenada
  2. Mais de uma origem dos requisitos
  3. Não existir Product Owner
  4. Product Owner não promovendo a visibilidade

 


Backlog nunca esta completo

“Um Backlog do Produto nunca está completo. Os primeiros desenvolvimentos estabelecem os requisitos inicialmente conhecidos e melhor entendidos. O Backlog do Produto evolui tanto quanto o produto e o ambiente no qual ele será utilizado evoluem. O Backlog do Produto é dinâmico; mudando constantemente para identificar o que o produto necessita para ser mais apropriado, competitivo e útil. Se um produto existe, seu Backlog do Produto também existe.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(Backlog nunca esta completo), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Montar o backlog inteiro
  2. Congelar as mudanças – para prevenir alterações no escopo
  3. Capturar todos os requisitos para fechar o backlog
  4. Produto sem backlog

 


Conteúdo do backlog

“O Backlog do Produto lista todas as características, funções, requisitos, melhorias e correções que formam as mudanças que devem ser feitas no produto nas futuras versões. Os itens do Backlog do Produto possuem os atributos de descrição, ordem, estimativa e valor. Os itens do Backlog geralmente incluem descrições de testes que comprovarão sua completude quando “Prontos”.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(Conteúdo do backlog), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Congelar as mudanças – para prevenir alterações no escopo
  2. Evitar as correções ou melhorias

 


A importância do feedback

“Enquanto um produto é usado e ganha valor, e o mercado fornece feedback, o Backlog do Produto torna-se uma lista maior e mais completa. Requisitos nunca param de mudar, então o Backlog do Produto é um artefato vivo. Mudanças nos requisitos de negócio, condições de mercado ou tecnologia podem causar mudanças no Backlog do Produto.”

Fonte: Scrum Guide 2017

Pelo texto acima(A importância do feedback), algumas coisas não fariam o menor sentido:

  1. Postergar o uso do produto
  2. Não realizar ciclos de feedbacks
  3. Congelar requisitos
  4. Ignorar as novas condições do mercado (competidores, legislação, etc)

Resumo da ópera: O Backlog é dinâmico, gerido pelo Product Owner, e sprint a sprint o feedback é fundamental, pois gera aprendizado e oportunidade de melhoria.

Ninguém disse que é fácil aplicar!

Na dúvida, leia o Scrum Guide e discuta com seu Scrum Team.


pb

 

 

Evento: Product Camp Brasil 2018 – 5 e 6 de dezembro – São Paulo/SP

Olá!

Vem aí o Product Camp Brasil 2018 – Dezembro/2018 – SP

Veja alguns tópicos que serão abordados no evento:

  • Lean Market Validation
  • Tópicos avançados de gestão de produtos
  • Tendências no comportamento do consumidor
  • 10 dicas para um Product Manager de alta performance
  • E muito mais

Eu já garanti a minha vaga!

#boraparticipar

#borainteragir

productcamp2018

Usuário final ganhando desconto para testar o produto – Isto ecziste?

Olá!

O Uber vai descontinuar o Uberpool e para substituir, lançará o Uber Juntos… Até aqui, tudo bem, mas a empresa, resolveu oferecer descontos para os usuários(passageiros) testarem(na vida real) a nova modalidade.

Qual foi a última vez que você ofereceu desconto para os seus usuários ? Lembra?  rs..rs

O ponto central para mim, é a empresa colocar o passageiro(usuário final do aplicativo) para testar o produto em condições reais e como incentivo ainda oferecer o desconto.

Além do desconto em si, que acaba chamando a atenção, o fato de envolver desta forma  o usuário final, acho fantástico. Não tem como saber, qual foi o envolvimento do usuário final na fase de concepção, ideação e a liberação dos primeiros releases desta funcionalidade.

“A companhia ainda ressalta que nos primeiros três meses, como incentivo para que os usuários testem o produto, as viagens terão valor até 50% inferior”

Quanto mais envolvermos o usuário final com o nosso produto, maior serão os ganhos, tais como:

  • Benefícios para o produto
  • Aprendizados sobre nosso usuário
  • Pontos a serem evoluídos
  • Interações do usuário com o produto em condições reais – vida real
  • Aumento do engajamento
  • Promoção da marca (se tudo der certo)

Esta ação merece ou não merece nossa atenção e no mínimo uma reflexão – novo tempos, meu amigo

#foconousuáriofinal

#mindsetcolaborativo

#leanstartup

UberUsuarioFinalAprovado

 

 

 

4 motivos para envolver o usuário final na concepção de produtos digitais

Olá!

Vamos começar explicando o que é um produto digital: Um software, seja ele uma app, aplicação desktop/web, embarcdo ou outra encanação qualquer.

E quem é o usuário final em nosso ponto de vista? O profissional que utiliza frequentemente o produto digital para:

  • Realizar alguma atividade que impacte (in)diretamente o cliente
  • Facilitar suas tarefas com o apoio do produto digital
  • Contribuir para tomada de decisão com base em informações extraídas deste produto digital
  • Otimizar sua rotina, liberando para atividades mais nobres
  • Outros

Veja os 4 motivos:

  1. Seu cliente é importante
  2. Engajamento do usuário final
  3. Construir/evoluir produtos melhores com foco nas reais necessidades
  4. Cliente satisfeito gera mais dividendos

Agora, vamos falar um pouco sobre cada um deles

1.Seu cliente é importante

Quando você através de um produto digital, realiza um bom atendimento, você esta respeitando e valorizando o seu cliente.

Pense no seguinte cenário:

Vamos supor que seu cliente, é uma operadora de telefonia, e o atendimento aos clientes do seu cliente é realizado via call center.  Neste local, você tem inúmeros atendentes que utilizam produtos digitais para responder dúvidas e fazer procedimentos para os clientes do seu cliente.

E se este produto digital, tivesse uma pane? Se ele fosse lento? Se ele fosse confuso…

Na pratica, isto significará que o produto digital, não levou em consideração as reais necessidades do seu cliente, ou melhor do atendente, logo o seu cliente não esta sendo importante.

2.Engajamento do usuário final

Você gosta de ser ouvido ou ignorado?

Ao ouvir o seu usuário, você estará de maneira muito simples, “dando voz a ele”.

Faz sentido ouvir este usuário final? Com total certeza, pois ele esta DIRETAMENTE envolvido no dia a dia do produto digital.

E com o engajamento, ele vai contribuir de maneira mais intensa com o produto digital. E o conhecimento que este profissional tem da operação? e do seu cliente? Vai ignorar este conteúdo?

3.Construir/evoluir produtos melhores com foco nas reais necessidades

Para construir/evoluir, a maneira mais simples é entender o dia dia da operação, fluxo de documentos, atividades, restrições…

Quem não ouviu falar de produtos que nunca foram utilizados por seus usuários?

Que são confusos?

Que não atendem minimamente as reais necessidades?

É uma forma barata e mais assertiva de construir, com proximidade com usuário final e trazendo ele para o seu time.

4.Cliente satisfeito gera dividendos

Vivemos num mundo onde o consumidor é rei, então tratá-lo bem, é nosso dever.

E quando este personagem esta satisfeito ele gera dividendos para todos:

  • a marca
  • a empresa
  • o produto
  • colaboradores

Cliente satisfeito, compra mais, indica seu produto e pode até tornar fã- do seu produto.

É fácil?

eBook-04 motivos para envolver o usuario final na concepcao de produtos digitais_Outubro_2018_v01

 

 

 

 

 

Semana de trabalho de 4 dias – experiência da Perpetual Guardian

Olá!

A grande maioria de nós trabalha 5 dicas na semana, com carga horária bem extensa, por variados motivos.

Mesmo no mundo do trabalho do conhecimento, ainda existe o pensamento que vincula carga horária com produtividade.

Este artigo publicado no Infoq, relata a experiência da Perpetual Guardian com semana de trabalho de 4 dias.

#SemanaDeTrabalho4dias

#MaisProdutividade

#VidaPessoal

Semana4dias